Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MORDIDELA

JOSÉ CARLOS MADEIRA

MORDIDELA

JOSÉ CARLOS MADEIRA

CÓCÓ CAGOU A CANITA OU OS RELATÓRIOS QUE NADA CONCLUEM


O Principe

14.05.13

A história dos relatórios da OCDE, oferecem-nos várias visões e possíveis comentários mas também podem demonstrar que independentemente do governo e a sua postura ideológica de quem está no poder, normalmente contêm posições do agrado dos mesmos.
Não foram apenas dois relatórios que a OCDE elaborou sobre Portugal e na sua maioria apelavam a consensos nacionais e a medidas simpáticas para quem comandava a governação.


Numa visão diferente, há dois anos o PSD classificou o relatório como um fato feito á medida das pretensões de Sócrates e hoje temos o inverso! O que parece á maioria dos portugueses é que estes relatórios acabam por não ter qualquer impacto ou importância, até porque alguns dos seus textos são empíricos, generalistas e até inconclusivos face a alguns elementos conjunturais. É normal o aproveitamento politico por parte de um partido quando lhe é favorável um relatório de um organismo de significativa importância no panorama internacional e a indignação da sua oposição mas o que é conclusivo é que a OCDE não sai nem tem visto a sua imagem de credibilidade reforçada com relatórios que afinal nada concluem! Recordando os mais incautos que esta critica não tem sido só feita em relação a Portugal.

 

Como dizia alguém conhecido esta manhã "quero morrer sem ler um relatório destes", eu já li mais que um e concluí o mesmo que ele, nada acrescenta a uma análise da nossa realidade....como diz o bom alentejano "cocó cagou a canita" (venha o próximo)!

 


José Carlos Madeira

QUANDO O PRESIDENTE PERDE O SEU SENTIDO OU AS JORNADAS DA PRIMAVERA DA PRESIDÊNCIA


O Principe

14.05.13

Há tempos tivemos mais uma frase do Presidente digna de um comentador como o Camilo Lourenço, o José Gomes Ferreira ou do seu discípulo Marques Mendes: Não digam depois que não avisei! 

 

Por Marques Mendes ficámos a saber que convocaria um Conselho de Estado mas quando todos pensamos que era para discutir a situação real do país afinal é para tecer teorias virtuais sobre o nosso futuro colectivo pós-troika! Isto numa ocasião em que a 7.ª avaliação foi encerrada com factos e compromissos pouco esclarecidos e confusos e não se conhece nem se percebe a verdadeira posição de um dos partidos da maioria governativa sobre algumas medidas extraordinárias tão relevantes como o corte nos rendimentos já parcos dos nossos pensionistas. Esta era a altura essencial para ter em Belém um Presidente esclarecido, exigente perante a governação e não um promotor de jornadas de debate bem mais ao estilo de "clubes elitistas pensantes" que em tempos de crise aparecem como cogumelos num bosque transmontano.

Este é um Presidente desastrado e desfasado na gestão do seu papel como principal magistrado da nação, não agradando nem convencendo a esquerda nem a sua direita e muito menos com capacidade de promover consensos e unidade no presente e nem com uma visão em relação ao futuro! 

 

O Conselho de Estado é mais do que um grupo lúdico de soirée que se reúne para dissertar sobre futuros hipotéticos. Há um desfasamento entre o Presidente e o país e a sua imagem de impoluto, de politico imaculado caiu definitivamente, basta observar a sua popularidade e o que a maioria dos portugueses pensa e a forma como o avalia!

Esperemos que alguns dos Conselheiros aproveitem a oportunidade para questionar a acção do próprio Presidente e o presente conseguindo quiçá que um Conselho de Estado não seja uma espécie de Universidade Sénior de Pensantes em prolongamento das já conhecidas e afamadas Universidades de Verão da Juventude da familia politica do Presidente!

 

José Carlos Madeira

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D